Notícias

Conta-me como foi…

Em colaboração com a Biblioteca Escolar e no âmbito da flexibilidade curricular e da atividade interdisciplinar - Portugal, antes e depois da Democracia e o Ano da Morte de Ricardo Reis, de José Saramago - entre Português, Inglês e História A, os alunos do 12.º Ano, do Ensino Secundário Regular desenvolveu, no dia 17 de maio, uma atividade designada “Conta-me como foi…”. Esta iniciativa tinha como objetivo recolher testemunhos relativos à Guerra Colonial, à vida quotidiana durante o Estado Novo e/ou à forma como se vivenciou o 25 de abril de 1974.
Assim, foram vários os testemunhos trazidos pelos alunos: o do avô José, conhecido por “Zacarias”; o do avô Porfídio; do avô Artur; o do tio Abílio; o da avó, que vivia em Luanda e presenciou as atrocidades da guerra civil. Além destes testemunhos, a turma teve o testemunho presencial, tranquilo e genuíno do Sr. Mário Ribeiro.
Em simultâneo, alguns alunos recriaram relatos que recolheram das suas pesquisas não somente sobre a Guerra Colonial, mas também sobre o papel da mulher na família e na sociedade durante o Estado Novo.
Esta iniciativa fomentou o diálogo intergeracional, intercultural, entre o passado e o presente, através de uma partilha de memórias sobre a experiência da guerra no Ultramar, na Guiné, em Angola e em Moçambique, apelando a uma reflexão sobre o que é viver e participar numa guerra e os traumas físicos e psicológicos que acabam por afetar todos os que nela participam. Esta atividade deu ainda a conhecer alguns dos laços de amizade, solidariedade e de interculturalidade que se teceram em tempos de guerra e violência, entre os soldados portugueses e as populações autóctones, em particular as crianças desprotegidas.

Encontro em linha com João Tordo

Na manhã do dia 5 de maio, uma plateia atenta de alunos do Ensino Secundário esteve online com o escritor João Tordo, lisboeta, nascido em 1975, formador de escrita literária e autor de mais de uma dezena de livros, divididos entre o romance, o policial e o ensaio, com diversos prémios atribuídos. 

Durante uma hora, revelaram-se curiosidades do mundo da escrita para os jovens e para os menos jovens presentes na sessão: O que é ser escritor? Como vive? Como cria? De onde surgem as ideias para os enredos? E os títulos das obras, que tanta luta dão, como nascem? 

Ora, segundo João Tordo um escritor é alguém que descreve situações multifacetadas, desde a felicidade à tragédia. Antes de ser um escritor, João Tordo foi sempre um leitor interessado por obras diversas, greco-romanas, Bíblia, os clássicos… Considera que a ação de escrever é desenlaçar narrativas, apesar de podermos a vir a ser derrotados por cada uma das nossas pequenas histórias (in contracapa do livro “A mulher que correu atrás do vento”). 

Revelou que escreve contra a morte e o esquecimento, contra a dispersão e o caos. Que encara ato da escrita como um compromisso, uma espécie de relação, tal como se de um casamento se tratasse. Que vive intensamente esta fase, sentida como uma verdadeira aventura. 

É de referir que este encontro, promovido pelo PNL2027/Clubes de Leitura da Escola no Dia Mundial da Língua Portuguesa, revelou-se um momento muito agradável com um escritor que, num tom informal e bem-falante, enriqueceu o nosso interesse pelo mundo das letras.

Programa Euroscola

No dia 20 de abril, realizou-se, no auditório do Instituto Português do Desporto e Juventude de Aveiro, a sessão distrital do Euroscola. Trata-se de um projeto criado pelo Parlamento Europeu, cujo objetivo maior é possibilitar a participação de estudantes do ensino secundário num exercício de simulação do trabalho de eurodeputado. 

A representação do nosso Agrupamento de escolas esteve a cargo das alunas Bruna Santos e Carolina Santos, do 11.° ano, turma A. Assim, fruto de um trabalho conjunto do grupo turma, as alunas empenharam-se e apresentaram uma excelente reflexão sobre “As redes sociais e o perigo para a Democracia”, tema em debate na edição deste ano. A exposição oral foi suportada visualmente por uma animação vídeo de um conjunto de desenhos em areia elaborados, com sensibilidade e criatividade, pela colega de turma Alexandra Pimenta

Neste concurso participaram, além do nosso Agrupamento de escolas, outras seis escolas. Feitas as apresentações, e após deliberação do Júri Distrital, composto por um membro da autarquia de Aveiro, um elemento da imprensa regional e uma representante da Federação Nacional das Associações Juvenis, as nossas alunas viram o seu trabalho ser qualificado em primeiro lugar. Assim, a representação o distrito de Aveiro na fase nacional, que decorrerá na Assembleia da República no final de maio, fica a cargo das nossas alunas. Será mais uma oportunidade de fazerem ouvir a sua voz e, enquanto jovens cidadãs, se envolverem, de modo ativo e responsável, na construção do projeto europeu. 

Celebração do dia da Terra

No dia 22 de abril assinala-se o Dia da Terra. Este ano, esta data comemorativa teve como tema - Investir no planeta - alertando para o momento de mudar. Agora é o momento de preservar e proteger a nossa vida promovendo um desenvolvimento sustentável que não ponha em causa a qualidade de vida das gerações futuras.

Assim, no âmbito de um projeto interdisciplinar, a turma do 11ª A da Escola Básica e Secundária Dr. Ferreira da Silva preparou uma apresentação com vários momentos de reflexão e apoio às causas ambientais.

Nesse intuito, fizeram uma adaptação do conto “A Christmas Carol” de Charles Dickens, à qual chamaram “An Eco-Carol” (Um Eco conto), pretendendo mostrar os erros que a humanidade cometeu no passado, e está a cometer no presente, bem como as possíveis consequências desses atos para o futuro do planeta Terra. No fim foram distribuídas plantas com a intenção de futuramente serem plantadas, representando assim, a esperança de um futuro mais verde, pois é, plantando árvores, que se pretende dar o primeiro para a mudança.

Durante esta atividade, teve lugar também um momento de palestra com a Bióloga Lara Nunes, em representação da associação Bioliving, para ajudar a debater algumas questões relacionadas com a biodiversidade e sustentabilidade, bem como o que podemos fazer para contribuir para a preservação do meio ambiente.

O encontro foi encerrado com uma versão adaptada da canção “Heal the World” de Michael Jackson, a qual pretendeu transmitir a ideia de que se todos trabalharmos em conjunto poderemos viver num mundo melhor.

É de referir que os alunos tentaram reforçar a ideia de que os jovens têm um papel muito importante a desempenhar na preservação do nosso planeta, e, é com eles que o planeta Terra conta para a mudança dos maus hábitos cometidos pelas gerações passadas.

“Nós, jovens, como representantes das sociedades futuras, queremos fazer parte desta ação, queremos ser agentes ativos da transformação do nosso planeta num lugar mais limpo, seguro e saudável para as gerações futuras.”

“We are never too little or too young to make a difference.”

O resultado deste projeto pode ser visto em: https://padlet.com/marciacbsilva/f02ujuom7pn1dsud

"Abril 2022, mês da prevenção dos maus tratos na infância"

Dando sequência ao pedido de colaboração da CPCJ de Oliveira de Azeméis, subordinado ao tema "Abril 2022, mês da prevenção dos maus tratos na infância", foram realizadas distintas iniciativas neste Agrupamento de Escolas em articulação com a EPS, Cidadania, Eco Escolas, Biblioteca Escolar, SPO e Articulação de Saberes.
Aqui ficam imagens de duas dessas iniciativas.
Afixação por parte de alunos e docentes de laços azuis no gradeamento junto à Portaria da EBS Dr. Ferreira da Silva e na Escola Básica e Jardim de Infância de Faria de Baixo com a colaboração da Associação de Pais.
Desenho de um laço Azul realizado ao vivo pelos alunos de todas as turmas frente ao Bloco da Escola Sede do AEFS.